quarta-feira, 31 de março de 2010

Für alle Zukunft


Ás vezes me pego pensando em como estarei daqui à alguns anos. Quero dizer, quando criança eu não pensava muito nessas coisas, por mais que cismasse que minha filha seria loira dos olhos azuis ou boazuda que nem a Barbie. Hoje, eu já fico me imaginando com um belo emprego, aquele com o qual sempre sonhei ou com quem estarei parecendo. Com minha mãe? Com meu pai? Terei finalmente meu próprio estilo? E como estarão meus valores? O tempo sempre vem e tenho medo de acabar mudando mais do que o necessário.
Queria poder voltar só um pouquinho no tempo para poder comparar, saber no que mudei e onde cresci. Sabe? Nunca bateu uma saudade daqueles tempos de criança? Eu sinto falta, muitas vezes sento, suspiro e fico remoendo a saudade.
Saudade de poder acreditar em contos de fadas e não ter o coração partido, de pisar em poças d'água e não ter um ataque porque sujou a porcaria daquele jeans caríssimo, de poder saltitar sem ser chamada de louca, de não se preocupar com aquela espinha ridícula, em como está o cabelo, se aquele garoto está a fim ou não, se as notas vão de mal à pior ou se preocupar em ser feliz. Ou com o futuro.
Ás vezes sinto falta de me sentir muito, muito feliz naquele momento por um motivo que hoje me parece bobo. Não é bom ter sido criança? Aquela ingenuidade não era boa? Não era bom poder ser só você e ponto? Sei lá, queria poder correr pela rua gritando:
"VOCÊ NÃO ME PEGA, VOCÊ NÃO ME PEGA!"
Hoje, só posso correr na rua se for para atravessar, mas eu juro que me esforço, me esforço mesmo. Ás vezes, imagino que estou brincando de pique-e-pega. E meu adversário é o tempo.

3 comentários:

Saki Miyazawa Morgan disse...

Deu vontade de rir da história de ter uma filha loira do olho azul... Até que me lembro que queria isso também -s

E sobre o tempo... Não adianta, a gente sempre acaba mudando. A única solução é tentar prestar atenção nisso e tentar não mudar o essencial.

Mas é pra isso que você tem a gente, nee? Pra te ajudar nesse jogo ^w^

Sunrise disse...

Você era uma criança muito meiga /fato.

E eu não queria uma filha loira dos olhos azuis. Eu queria um filhO loiro dos olhos azuis /hmm

E é, a gente sempre muda. Acho que hoje eu já começo a pensar que isso seja bom, de algum jeito. E como eu disse, a solução é tentar manter o essencial (L)

[fala sério, eu tenho umas sacadas geniais /interna]

Tchubarubah~ disse...

a gente muda. isso é inevitável...
a gente chega a mudar tanto que acaba por estranhaar o velho eu e não o "eu do futuro" que costumava imaginar, quando pensava sobre "o que vou me tornar" XD
confuso?!

ser criança foi tão bom...
muita saudade desse tempo que eu podia dormir demaaais sem culpa, brincar e brincar mais e não tinha afazeres importantes, nem era movida pelo dinheiro e por vontade de ter coisas... ai, ai!

Postar um comentário